Cabelo, cabeleira, cabeluda (o), descabelada (o)

Olá meus amores, eu demoro para fazer artigos e quando faço é sempre longo, mas não tem jeito. Eu espero que vocês gostem do artigo de hoje :)

Você sabe o que é cabelo? Cabelo é simplesmente um elemento anexo à pele. Uma pessoa adulta tem entre três a quatro milhões de fios capilares e os fios crescem entre um a dois centímetros por mês. Para quem não sabe o cabelo não serve somente para te deixar bonita (o), serve também para proteger a cabeça das radiações solares e abrasão mecânica. O cabelo também serve para indicar diversas doenças que ao se manifestarem alteram a estrutura capilar.

Falando da anatomia do cabelo, a haste que nada mais é que o fio capilar que fica na parte externa do couro cabeludo, é formada por três camadas de células queratinizadas chamadas de cutícula, córtex e medula.

A cutícula é a primeira camada do fio capilar, ou seja, é ela que nós tocamos e penteamos no dia a dia. Muitos não sabem, mas a cutícula é transparente e é através dela que vemos a cor do nosso cabelo. Apesar de a cutícula parecer lisa a olho nu, na verdade é formada por diversas escamas. Imagina um peixe, o peixe possui diversas escamas e para usarmos na culinária é preciso retirar suas escamas, ao retirar as escamas vemos que a mesma é transparente e a cor acinzentada e brilhosa do peixe está em sua pele. Com a cutícula do cabelo não é diferente. As cutículas (escamas) podem formar de cinco a dez camadas de placas que oferecem proteção ao córtex que é a segunda camada (interna) do fio capilar e é onde está a cor do cabelo.

O córtex é a segunda camada do cabelo (parte interna). É na segunda camada que transformamos a estrutura do nosso cabelo. O grau de resistência, elasticidade e a cor dos fios dependem de sua estrutura.

Falando do pigmento (cor) existente no cabelo que é encontrado no córtex, o mesmo é dividido em dois tipos, sendo eles pigmentos granulosos (eumelaninas) ou pigmentos difusivos (faeomelaninas). Os pigmentos granulosos são os que produzem coloração preta ou castanha. Já os pigmentos difusivos são os que produzem coloração loira ou ruiva. Lembrando que quando falo do pigmento dos fios, eu estou me referindo à cor natural. A coloração artificial não penetra no córtex, por isso, que quando um cabelo com coloração artificial cresce, a raiz fica com a coloração natural e a haste (o comprimento do fio) permanece com a coloração artificial.

A medula é a terceira camada do cabelo (parte interna). Ainda não se sabe para que, mas estudos recentes associam a medula com o primeiro instante da fase de germinação do fio servindo como direcionador de um novo fio em direção ao poro.

Você sabe como se dá a divisão do cabelo? O fio do cabelo possui duas partes distintas, com estruturas diferentes. A primeira parte fica dentro da pele (couro cabeludo) e é chamada de raiz. A raiz se divide em bulbo e papila. A segunda parte fica fora da pele (couro cabeludo) e é chamado de haste que é o cabelo propriamente dito. A haste se divide em cutícula, córtex e medula como foi dito acima.

Chegam ao bulbo e papila através da corrente sanguínea os nutrientes necessários para o desenvolvimento dos fios. As células que compõem o fio de cabelo são criadas dentro do bulbo capilar. Uma dessas composições é a melanina que é o pigmento que dá cor aos cabelos. Conforme as células se multiplicam no bulbo capilar, vão empurrando para cima as outras células, e conforme essas células são empurradas ainda dentro da pele criam a queratina que é fibrosa e faz o cabelo se tornar mais rígido.

Agora chegou uma parte que muitos gostam de saber, que é o ciclo de vida do pêlo. Existem três fases no ciclo, são as: Fase de crescimento, fase de repouso e a fase de queda

A fase de crescimento dura entre três a cinco anos. As células da papila se dividem permanentemente e empurram as precedentes para cima. Esse empurrão é o responsável pelo crescimento dos fios. A fase de repouso varia de três a quatro semanas. A divisão da célula diminui e depois para. Os fios não crescem mais. A fase de queda dura média de três a quatro meses. A multiplicação celular não acontece mais, o cabelo simplesmente desprende e cai. Em seguida a papila se reativa e um novo fio de cabelo começa a surgir.

Agora, que tal analisarmos o cabelo? O cabelo pode ter boa elasticidade, pouca ou nenhuma elasticidade, pode ser poroso, resistente ou extremamente poroso. Vamos ver o que significa cada termo citado:

A elasticidade é a forma como o cabelo tem de ser alongado e contraído naturalmente, exatamente como um elástico. O cabelo pode ter: Boa elasticidade, ou seja, responder bem ao enrolamento, não quebrando com facilidade, se tornando assim um cabelo saudável; Pouca elasticidade, ou seja, sem balanço e estala em contato com um pente ou escova; Sem elasticidade, ou seja, ressecado, sem vida e quebrando com facilidade.
A porosidade pode ser vista através da estrutura e condição da cutícula do cabelo. Se a cutícula for menos compacta, maior é sua porosidade.

Você sabe qual é a diferença de um cabelo poroso, extremamente poroso e um cabelo saudável (não poroso)? Poroso, o cabelo absorve água e outros líquidos (produtos) com rapidez, porém, demora a secar e possui uma aparência opaca e é ressecado. O cabelo saudável ou resistente (não poroso) não absorve água com facilidade, porém, seca rapidamente. Já o cabelo extremamente poroso quebra com facilidade, é volumoso e de aparência “ouriçado” nas pontas.

Para finalizar o post de hoje, saiba que sofremos uma queda capilar natural de 30 a 50 fios de cabelo diariamente, enquanto, outros fios nascem. Quando você percebe uma quantidade maior de queda diariamente, é sinal de que pode estar havendo um desequilíbrio. É preciso distinguir os fatores que desencadeiam as quedas que podem ser passageiras ou definitivas. Se passageiras, podem ser por estresse psíquico ou físico, origem medicamentosa ou carência de oligoelementos. Psíquico tem haver com secreção hormonal alterada. Se físico, tem haver com intervenção cirúrgica, hemorragia ou febre elevada. No caso de origem medicamentosa pode ser por causa de anticoagulantes, medicamentos antitiróideos, anti-reumáticos e antimicóticos. E por último não menos importante, a carência de oligoelementos como cálcio, manganês, zinco e ferro.

Meus amores, eu resumi bastante sobre o que aprendi, não falei sobre doenças capilares e outros assuntos, mas se eu falasse tudo hoje, o artigo ficaria gigantesco, portanto, cansativo. Eu vou deixar para falar o restante mais para frente...

Por favor: Eu peço para você curtir e/ou comentar sobre esse artigo, na fan page ou grupo do site lá no Facebook. Somente assim, eu saberei se os meus artigos estão te ajudando. Se você ficar em silêncio, não estará colaborando com a minha intenção de te ajudar.

Eu espero que tenham gostado das Dicas Para O Cabelo de hoje :)

Atenção! Todas as resenhas que eu faço são baseadas nas minhas experiências, portanto, o fato de um produto ter dado certo comigo, não significa que dará certo com você ou vice versa, por isso, é natural que algumas pessoas gostem dos produtos e outras não.